10 Maneiras de vender às mamãs


10 Maneiras de vender às mamãs

As mães sempre foram o pote de ouro no final de o arco-íris proverbial para os profissionais de marketing. Mas não até a mídia social, as mães tinham tanto poder para determinar a direção das marcas e campanhas de marketing a partir do zero. Se você quer vender para as mamães, você precisa acertar.
Stacy DeBroff, fundadora e CEO da Mom Central Consulting, nos dá algumas dicas importantes sobre como vender para as mamães e como evitar erros de marketing para mães novatas.

  • Entenda as nuances: Com nove entre 10 mães no Facebook e Twitter usando até 63 perfeitas entre as mães, é evidente que as mães de mídias sociais usam a tecnologia para mais do que manter contato - elas prestam atenção em como as marcas interagem Olhe para as outras mães: As mamães adoram insights sobre marcas e produtos de outras mães - a perspectiva de pares ressoa muito mais efetivamente com as mães do que o endosso de celebridades ou comerciais na TV.
  • Ouça e participe: mães querem engajamento de conversação com marcas. Eles querem que as marcas conversem com eles - buscando suas idéias e opiniões - e não para eles.
  • Esteja lá: levar mães a sites de marcas representa uma coisa do passado. Hoje, as mães querem que as marcas venham até elas - onde elas estão no Twitter, Facebook e blogs.
  • Realize: Mães procuram autenticidade e franqueza ao lidar com marcas. Eles querem conteúdo original, interação direta e atenção de um verdadeiro "humano".
  • Mantenha: Quando as marcas interagem regularmente com as mães, cria um senso de conexão e estimula a sensação de que as mães podem acessar conteúdo ou relacionamentos antes dos outros. - que gera forte ação boca-a-boca.
  • Conheça: marcas inteligentes sabem da importância da interação pessoal. Reuniões cara a cara - sejam elas com os principais blogueiros mamães ou influenciadores-chave, permitem que as marcas ouçam, participem e interajam diretamente com os consumidores mães.
  • Abrace os defensores: As mães querem se envolver com as marcas pelas quais se sentem apaixonadas - e depois compartilhar sua visão com outras mães. Defina seus melhores defensores em movimento em nome de sua marca e assista ao entusiasmo - tanto on-line como off-line
  • Incentivar conexões: Uma em cada três mães deseja conhecer outras mães em sua comunidade. As marcas que facilitam essas conexões - criando oportunidades locais e off-line para as mães - ampliam o alcance de seus programas nacionais e geram lealdade.
  • Vá para onde as mães vão: com mais de 70% das mães carregando smartphones, mais e mais oportunidades existem para marcas para ficar nas telas de radar das mães - oferecendo cupons, ofertas especiais e mantendo-se conectado.

Monetizando a mamãe: para atrair mamãs, prometer um retorno

  • Como tornar seu produto famoso (por quase nada)
  • Por que não pensei nisso? 5 grandes idéias de negócios


Os funcionários LGBT ainda enfrentam discriminação no trabalho

Os funcionários LGBT ainda enfrentam discriminação no trabalho

Apesar dos avanços recentes em direção à igualdade de tratamento, ainda é arriscado para lésbicas, gays, bissexuais ou transgêneros (LGBT) Essa é a conclusão da pesquisa do Instituto Williams da Faculdade de Direito da UCLA, que hoje (26 de julho) divulgou um relatório resumindo estudos acadêmicos e outras provas documentadas de discriminação no emprego baseada em orientação sexual e gênero identidade, e o impacto negativo que tal discriminação tem sobre as pessoas LGBT.

(Geral)

Economia com impacto negativo no desenvolvimento social das crianças

Economia com impacto negativo no desenvolvimento social das crianças

Já foi comprovado que carreira e problemas financeiros podem ter um impacto negativo no relacionamento das pessoas com seus cônjuges e parceiros. Agora, uma nova pesquisa descobriu que ter problemas financeiros afeta o relacionamento dos pais com seus filhos. Especificamente, os pais que experimentam problemas financeiros e depressão são menos propensos a se sentir conectados com seus filhos, e seus filhos são menos propensos a se envolverem em "comportamentos como o voluntariado ou ajudar os outros, de acordo com o professor Gustavo Carlo da Universidade de Missouri.

(Geral)